Curiosidades

Morando nos Estados Unidos: prestadores de serviço

28 jan , 2016  


Existem muitas diferenças entre a prestação de serviço do Brasil e dos Estados Unidos. E isso nem sempre tem a ver com qualidade.

Por Matheus Gonçalves

Dando sequência à nossa série “Morando nos Estados Unidos“, hoje vou falar sobre as principais diferenças entre prestadores de serviço daqui e de terras tupiniquins.

Quando vivemos no Brasil, nos acostumamos a enxergar prestadores de serviços, principalmente de trabalhos manuais, como um tipo de emprego relativamente informal. Para alguns, até com certo preconceito. O lixeiro, marceneiro, a costureira, o encanador, eletricista, são empregos que, apesar de exigirem conhecimento da área e muito trabalho duro, não são valorizados.

Não precisamos ir muito longe: existe uma enorme confusão a respeito da carteira de trabalho e benefícios trabalhistas de domésticas, que ganharam este direito recentemente e muitos patrões se recusam a aceitar.
 
house_cleaning-MorandoNosEstadosUnidos_toad
 
E se eu te disser que nos Estados Unidos, ter uma empregada doméstica é algo muito raro e praticamente exclusivo de famílias mais abastadas? Sim, isso porque manter uma empregada doméstica custa caro. Quer dizer, caro para nossos padrões brasileiros. E normalmente as pessoas daqui, desde a adolescência, habituam-se a limpar a própria casa.

Para efeito de comparação, uma vez eu pensei em contratar os serviços de uma senhora para limpar meu apartamento. Achei o anúncio em sites como o Yelp, li as avaliações e fui consultar o preço. Ela, e suas filhas, cobravam US$ 80 por hora de trabalho. Como a casa estava mesmo uma zona, resolvi investir. E me arrependi, porque eu sozinho teria feito um trabalho muito melhor, pra ser sincero.

Sim, não existe isso de limpar a casa com todos os detalhes que nós estamos acostumados, de tirar o móvel do lugar, tirar manchas dos vidros e deixar tudo brilhando. É uma limpezinha bem mais ou menos, por um valor relativamente alto.

A exceção aqui são os imigrantes brasileiros, que trabalham com limpeza de casa, que aí sim mandam muito bem. De qualquer forma, desde que você pague um valor justo pelo serviço.

Não ouse querer comprar uma roupa maior que seu corpo esperando levar para uma ou um costureira(o) fazer um ajuste. Uma barra de calça, um corte de excesso de uma camiseta, pode custar mais do que o valor da peça de roupa. Sim! Para cortar pano de uma camiseta, você muito provavelmente vai gastar mais dinheiro do que pagou na camiseta.

 
costureira-MorandoNosEstadosUnidos_toad
 

Você está pensando em reformar a casa? Arrumar a tubulação do banheiro ou dar um tapa no móvel de madeira da cozinha? Recomendo assistir tutoriais do YouTube sobre como executar a tarefa, e comprar o material em lojas como a Lowes ou Home Depot.

“Ah Toad, mas nem sempre dá pra aprender coisas assim no YouTube, nem fazer tudo sozinho!”

É verdade. Para esses casos, espero que você tenha feito aquela poupança de manutenção da casa, pois os profissionais que executarão o serviço vão cobrar o valor de mercado, que é muito acima do que estamos acostumados no Brasil.

 
marceneiro_morando_nos_estados_unidos_toad.com.br
 

Para o bem e para o mal…

Se por um lado isso dói muito no bolso, por outro este tipo de contexto econômico ajuda a criar uma sociedade mais justa. Ou menos injusta, vamos dizer. Quem trabalha exercendo essas atividades pode tranquilamente ter uma vida relativamente confortável, sem passar necessidades.

Alguns chamam isso de American Dream, aquela coisa de que todo mundo que ralar muito tem a chance de vencer na vida. Há, claro, inúmeros fatores e variáveis neste sistema que tornam tudo menos absoluto. Por exemplo, não vai ser todo imigrante brasileiro que vai chegar nos Estados Unidos pra ser marceneiro que vai ficar milionário, nem se ele se esforçar muito.

Mas arrisco dizer sem medo que ele terá uma vida com muito mais tranquilidade financeira que exercendo o mesmo trabalho no Brasil. Vamos usar aqueles US$ 80 para uma análise aproximada: se a pessoa trabalhar 5 horas por dia, durante quatro dias por semana, pode fazer mais de US$ 6 mil por mês. Para efeito de comparação, o salário mínimo da Georgia, estado onde eu vivo, gira em torno de US$ 1 mil por mês. Nada mal, certo?

 
pagamento_morando_nos_estados_unidos_toad.com.br
 

Como última dica eu preciso dizer que esses valores são cobrados por americanos e variam de estado para estado. Brasileiros normalmente cobram mais barato, por inúmeros fatores. E também preciso pedir pra que ninguém faça nenhuma loucura para entrar de qualquer maneira nos Estados Unidos.

Entre pela porta da frente, seguindo todas as regras americanas de imigração. Assim você pode fazer uso de todos os benefícios que o país oferece, além de contribuir com a sociedade que está te acolhendo.


, , , , , ,


  • Jonathan Zanella

    Muito bom o post Matheus. Trabalhar com construção civil (como empregado de construtoras mesmo), também rende bem neh?

    Como sempre, se alguém de algum outro país quiser deixar a visão do país que vive aqui nos comentários é muito bacana 🙂

  • Andre gonçalves

    Caro pra quem paga, justo pra quem executa. No Bananistão, quem contrata quer pagar uma ninharia.

  • Marcos

    Matheus
    tenho uma pequena empresa de TI no brasil com 14 anos de mercado. possuo visto B1/B2, porem nunca fui aos EUA.
    com sua experiencia, vc acha que é possível que eu migre para os EUA com minha empresa, para prestar serviços na área de TI?

  • Debora Paulino

    Muito bom os seus textos Matheus, e bem esclarecedores
    Me tira uma duvida, se você souber, meu marido e eu trabalhamos no mercado de estandes para feiras e eventos aqui no Brasil. Ele é projetista e eu trabalho com vendas.
    Você sabe se esse é um bom mercado para se trabalhar aí nos EUA? Pergunto porque a nossa área é de prestação e serviços

Send this to friend